Notícias

 

 
Notícia
30/04/2015

O encontro de Francisco com os Cursilhos da Cristandade

Cursilhos da Cristandade realizam em Roma sua Ultreya europeia, nos 70 anos de divulgação do movimento

Rádio Vaticano


O Papa Francisco encontrou na tarde da última quinta-feira (30/04) na sala Paulo VI, o Movimento dos Cursilhos de Cristandade, reunidos em Roma para celebrar a Ultreya Europeia nos 70 anos de difusão do movimento no mundo e para concluir o 50º aniversário de sua presença em Itália. O Pontífice intercalou seu discurso com respostas de improviso à diversas perguntas colocadas por alguns cursilhistas no início do encontro.

O Papa iniciou desculpando-se pela mudança de horário no encontro, previsto para se realizar na sexta-feira, dizendo que o Papa “é infalível somente nas questões dogmáticas, mas isto é só de vez em quando, raramente”, mas que também tem “defeitos” . E elogiou o movimento, por não fazer proselitismo - ressaltando, que a “igreja cresce pelo testemunho e não pelo proselitismo” – exortando os participantes “a traduzirem e não traírem o carisma, mas adaptá-lo à realidade local”.

Justamente “o ardente desejo de amizade com Deus” dos cursilhos – ressaltou o Papa - ajudou milhares de pessoas em todo o mundo a “crescer na vida de fé”:

“O método de evangelização dos Cursilhos nasce justamente deste ardente desejo de amizade com Deus, do qual brota a amizade com os irmãos. Desde o início se entendeu que somente dentro das relações de amizade autêntica era possível preparar e acompanhar as pessoas em seu caminho, um caminho que parte da conversão e passa através a descoberta da beleza de uma vida vivida na graça de Deus e chega até à alegria de tornar-se apóstolos na vida cotidiana”.

Francisco destacou que no contexto moderno do anonimato e de isolamento típico das nossas cidades, é importante a dimensão acolhedora, familiar, à medida do homem, que os encontros do Cursilho oferecem, e acrescentou:

“A estas pequenas reuniões de pequenos grupos é importante criar momentos que favoreçam a abertura a uma dimensão social e eclesial maior, envolvendo também quem veio em contato com o vosso carisma mas não participa habitualmente de um grupo. A Igreja, de fato, é uma ‘mãe de coração aberto’ que nos convida às vezes de ‘diminuir o passo’, a ‘colocar de lado a ansiedade para olhar nos olhos e escutar’, a ‘renunciar às urgências para acompanhar quem permaneceu ao largo da estrada”.

O Papa deu aos cursilhistas uma tarefa de casa: estudar as obras de misericórdia, corporal e espiritual, para serem colocadas em prática.

Entre os fundadores dos Cursilhos, o Papa citou Eduardo Bonnin Aguilo e o Bispo de Mallorca, Dom Juan Hervas y Benet, que acompanhou o crescimento do movimento: “foram autênticos missionários. Não hesitaram em tomar a iniciativa e corajosamente se aproximaram das pessoas, envolvendo-as com simpatia e acompanhando-as no caminho da fé com respeito e amor”.

Ao longo de seu pronunciamento, o Papa fez vários convites aos cursilhistas de hoje:

“Como é necessário sair, sem nunca se cansar, para encontrar os assim chamados ‘afastados’!”. Mas para ajudar os outros a crescer na fé, “é necessário experimentar em primeira pessoa a bondade e a ternura de Deus”.

“Ele não nos pede nada em troca, pede somente para ser acolhido, porque o amor de Deus é gratuidade, puro dom”.

“É bonito ajudar a todos, também aqueles que tem dificuldade em viver a própria fé, a permanecer sempre em contato com esta mãe, sempre próximos a esta grande família acolhedora que é a Igreja”.

“Vos encorajo a seguir “sempre além”, fieis ao vosso carisma!”. “A atingir os distantes” (...) “a sair da própria comodidade e ter a coragem de chegar a todas as periferias”. (JE)






Fonte: br.radiovaticana.va

 

:: Voltar ::

 
 
 

Paróquia de São José da Lagoa

Diocese de Itabira - Coronel Fabriciano
Nova Era - MG