Notícias

 

 
Artigo
04/06/2015

Corpus Chirsti - Isto é o meu Corpo

Palavra do Pároco

Padre Eugênio Lima


Eucaristia:


Direito?
Mérito?
Privilégio?
Prêmio?
Dever?
Graça?
Remédio?
Alimento?




“A Eucaristia, embora constitua a plenitude da vida sacramental, não é um premio para os perfeitos, mas um remédio generoso e um alimento para os fracos. Estas convicções têm também consequências pastorais, que somos chamados a considerar com prudência e audácia. Muitas vezes agimos como controladores da graça e não como facilitadores. Mas a Igreja não é uma alfândega; é a casa Paterna, onde há lugar para todos com a sua vida fadigosa” (EG nº 47). É uma afirmação tirada da Exortação Apostólica, a Alegria do Evangelho do Papa Francisco.

Não como controladores da graça de Deus, como chamados a ser administradores e bons administradores da graça de Deus.

Quem pode comungar? Quem pode se aproximar do Banquete Eucarístico? Quem não tem pecado? Se assim fosse, quem poderia receber a Eucaristia? ” Senhor eu não sou digno de que entreis em minha casa, mas dizei uma só palavra e eu serei salvo” (Cf Lc 7, 7).

Não sou digno é o que rezamos quando somos convidados a participar da Ceia do Senhor. Este é o convite que o presidente da celebração faz em nome de Jesus:

“Felizes os convidados para a Ceia do Senhor.” Felizes porque fomos convidados por Jesus para participar da Ceia / Festa onde Ele mesmo se dá em alimento para sustentar nossa fraqueza e ao mesmo tempo nos convida a entrar em intima comunhão com Ele e por que em comunhão com Ele, comunhão também com nossos irmãos e irmãs.

“Quem vos recebe, a mim recebe. E quem me recebe, recebe aquele que me enviou. ” (Mt 10, 40) e: “Em verdade eu vos declaro: todas as vezes que fizestes isto a um destes meus irmãos mais pequeninos, foi a mim mesmo que o fizestes. ” (Mt 25, 40) Eucaristia não é privilégio, prêmio pelos nossos merecimentos ou grandes feitos, nem tão pouco um direito porque nos julgamos “cumpridores” dos deveres e farisaicamente nos consideramos melhores que os outros a quem julgamos como pecadores, adúlteros. (Cf. Lc 18, 10 a). “Ide e aprendei o que significam estas palavras: Eu quero a misericórdia e não o sacrifício. Eu não vim chamar os justos, mas os pecadores.” (Mt 9, 13)

Eucaristia é alimento! E se é alimento quem precisa se alimentar? Que está com está fome. Fome de amor, justiça, paz, ternura...

Se é alimento, então deveria matar nossa fome e assim poder dizer como o salmista: ”O Senhor é meu pastor e nada me faltará” (Salmo 22, 1). Se é alimento, deveria matar nossa fome de prestigio, poder, aparecer, dominar, possuir. Temos fome de que? A Eucaristia tem nos transformado?

Eucaristia não é receber o próprio Jesus como alimento, como hóspede em nossa casa/coração?

Eucaristia é remédio? E por que continuamos doentes?

Ódio, magoas, ressentimentos, ganância, apego as coisas, indiferença, dureza de coração, comodismo?

Cura Senhor nossas enfermidades.

Zaqueu recebeu a Eucaristia / Jesus em sua casa. Recebeu não por que era bom, honesto, piedoso. Recebeu por inciativa de Jesus motivado pela curiosidade de Zaqueu em ver Jesus. “Zaqueu, desce depressa, porque é preciso que eu fique hoje em tua casa. ” (Lc 19, 5) Primeiro houve interesse de Zaqueu em ver Jesus e foi visto com amor por Jesus. Jamais Zaqueu teria coragem de convidar Jesus para ir em sua casa. Jesus se oferece para ir à sua casa. Zaqueu recebe Jesus/Eucaristia e isso muda sua vida. O que tem mudado em sua vida?

Recebemos Jesus em nossa casa / coração pela Eucaristia.

Deixamos esse remédio agir em todos as áreas de nossas vidas/casas? Como voltamos para nossa casa depois de celebrar a Eucaristia?

Quando podemos dizer com sinceridade : “não comungo por que mereço, porque tenho direito, porque sou perfeito; comungo porque necessito, estou doente, sou fraco tenho dificuldade de perdoar, de pedir perdão , sou orgulhoso, apegado as coisas, tenho mania de grandeza, tenho fome de prestigio de poder e por isto necessito de remédio para curar minhas enfermidades, de alimento para me sustentar, então poderíamos dizer: ‘Senhor eu não sou digno de entreis em minha casa, mas dizei uma só palavra e eu serei curado/salvo’. E Jesus irá responder para nós: ‘Eu quero, fique curado. ’ ‘Jesus estendeu a mão, tocou-o e disse: Eu quero, sê curado. No mesmo instante, a lepra desapareceu. (Mt 8, 3)”

Que a Eucaristia transforme a minha, a sua vida e transformados renovaremos este mundo, ou então, incomodaremos muita gente.


Axé!

Pe. Eugênio, CR.

 

:: Voltar ::

 
 
 

Paróquia de São José da Lagoa

Diocese de Itabira - Coronel Fabriciano
Nova Era - MG